Mapa térmico indica áreas de maior circulação nas lojas e favorece ações de marketing e vendas

Imagem: reprodução site

Novidade da Virtual Gate indica a densidade no fluxo de movimento e abre novas oportunidades de readequação no ponto de venda

Mais uma oportunidade de turbinar os negócios chega ao mercado com a solução Hot Zone, que traz novas visões do negócio mostrando ao varejista um retrato fiel do seu estabelecimento. Seus indicadores permitem, por exemplo, analisar rapidamente o impacto de uma alteração do layout interno da loja.

Desenvolvida pela Virtual Gate, empresa especializada em fazer com que o varejista aumente suas vendas por meio da gestão do fluxo de consumidor e da taxa de conversão, o Hot Zone abre novas oportunidades ao varejista que precisa alocar determinados produtos nas melhores áreas da loja, produtos que precisem de giro ou negociar com fornecedores as áreas que comprovadamente atraem mais clientes.

A solução Hot Zone traz novas visões do negócio que mostram ao varejista um retrato fiel do seu estabelecimento, com indicadores que permitem, por exemplo, analisar rapidamente o impacto de uma alteração do layout interno da loja

“Por meio do Hot Zone o varejista conta, ainda, com informações preciosas do comportamento dos clientes dentro da loja, que devem ser usadas para melhorar a experiência de compra e consequentemente, aumentar o faturamento. Com uma análise especializada das informações apuradas pelos sistemas da Virtual Gate é possível definir estratégias de crescimento de acordo com o fluxo de pessoas no ponto de venda”, explica Heloísa Cranchi, diretora geral da Virtual Gate. “Dessa forma, o varejista consegue aproveitar ao máximo o potencial do negócio. Com o Hot Zone, por exemplo, é possível entender quais são as linhas de produtos que precisam de ações promocionais para atrair os consumidores”, conclui.

Varejistas como C&A, Pernambucanas, Vivo, Telhanorte, Leroy Merlin, Livraria Cultura,Cybelar, Shoestock, Nokia, Via Uno, Reebok, Cantão, Redley, L’Occitane, Lacoste, Kate Spade estão entre seus clientes.

Anúncios

Pesquisa revela posturas bem diferentes nas mídias sociais

Segundo pesquisa realizada pelo Nube, opinião de jovens fica dividida quando o assunto é postura nas redes sociais

As empresas podem acessar seu perfil nas redes sociais? Essa pergunta foi feita na última enquete realizada pelo Nube, entre os dias 18 e 19 de abril, com o intuito de avaliar o comportamento das pessoas em relação a uma mídia relativamente nova, mas presente na vida da maioria. Acompanhe o resultado e conheça o pensamento e postura tomada pelos jovens.

A pesquisa , feita no site do Nube, englobou internautas entre 15 e 26 anos e contou com mais de dois mil votantes. Diante das cinco alternativas, três delas, bem diferentes entre si, ficaram equilibradas. São elas: “Sim, permito o acesso, pois é uma forma de melhorar a seleção”, com 35,18%; “Não, a minha vida pessoal é diferente da profissional”, com 29,09% dos votos e “Depende dos objetivos dessa observação”, com 20,97%.

Tal resultado demonstra o fato de ainda haver muita polêmica envolta do uso das redes sociais como ferramenta complementar para os processos seletivos.“Os dados da enquete mostram essa divisão de opiniões. No entanto, a utilização dos sites de relacionamento para aprimorar as seleções nas empresas é uma realidade internacional e, por aqui, também já é tendência”, afirma Henrique Ohl, analista de treinamento do Nube.

Para ele, independentemente de a vida pessoal ser, ou não, separada da profissional, devemos ficar atentos. Afinal, do outro lado do computador, nem sempre encontraremos uma pessoa com uma opinião igual a nossa. “Consequentemente, a melhor estratégia é cuidar da nossa imagem nas mídias sociais, de forma a ambos os grupos observarem nosso perfil e terem boas impressões”, comenta.

O analista não enxerga necessariamente o bloqueio do perfil como ponto negativo. Segundo ele, a escolha é do candidato e a imagem deixada vai depender muito da área de atuação. Por exemplo, para segmentos relacionados à comunicação, a ferramenta pode servir como portfólio. “Uma dica é fazer um perfil em redes sociais corporativas”, aconselha Ohl. Já para outros ramos, ter ou não um perfil acessível digitalmente, por enquanto, costuma ser indiferente.

Na enquete ainda foram citadas as opções: “Sim, se estou em uma rede social, quero ser visto”, com 8,21%, e, em último lugar, com 6,55%, “Não, isso é invasão de privacidade”.

Apesar dos diferentes pensamentos, é preciso sempre não exagerar e adotar uma postura “cuidadosa”. As redes sociais devem ser vista como uma ferramenta e, como tal, precisam ser utilizadas de maneira adequada.

Serviço: Segundo pesquisa realizada pelo Nube, opinião de jovens fica dividida quando o assunto é postura nas redes sociais.

Fonte: Henrique Ohl, analista de treinamento do Nube

Pesquisa detalha diferenças no perfil de consumo por classe social

A executiva Stella Kochen Susskind, presidente da Shopper Experience, coordenou um estudo online informal com 500 clientes secretos para avaliar os comportamentos de consumo nas classes sociais no Brasil.

Entre as principais conclusões do estudo, a executiva destaca a mudança do perfil do consumidor brasileiro que, embora tenha algumas características comuns, diferencia-se de acordo com a classe social. A classe C é mais controlada, valoriza os sentimentos positivos de conquista associados ao poder de compra; entretanto, está alerta em relação ao lado negativo do consumo e mais atenta a dificuldades no pagamento e nas taxas de juro. Na classe B, o consumidor vivencia mais intensamente o prazer de comprar, embora se preocupe com preços e condições de pagamento. A classe A, por sua vez, deseja construir um relacionamento melhor com as marcas.

De acordo com a executiva, no Brasil o atendimento passou a ser um diferencial importante impulsionado pela consolidação do Código de Defesa do Consumidor. Na prática, o brasileiro – até então, tolerante e paciente – passou a ter consciência dos seus direitos seja com relação à qualidade do produto, seja com relação ao atendimento. Além de reclamar, esse consumidor propaga sua opinião, positiva ou negativa, em redes sociais.

Um dos agentes da transformação das relações de consumo é a internet, que mudou, significativamente, o comportamento do consumidor, sobretudo dos mais jovens. “Hoje, o brasileiro testa os produtos em lojas físicas e compra, de acordo com o preço e a conveniência, pela internet. Comportamento verificado, em especial, entre os consumidores com idade entre 18 anos e 35 anos.

Desse contingente, 75% dos consumidores revelaram a preferência por comprar online pelo preço. Um outro dado interessante é que 25% desses compradores – chamados de showroomers – vão até a loja física com intenção de comprar efetivamente, mas desistem pelo preço”, detalha Stella, acrescentando que embora o driver desse consumidor seja o preço, esse é um comportamento raro. “Vários estudos, nacionais e internacionais, comprovam que o atendimento é um fator fundamental para a decisão de compra”, salienta.

A análise da pesquisa da Shopper Experience mostra que 58% dos entrevistados visitaram as lojas físicas e, posteriormente, deixaram comentários positivos nas redes sociais, mesmo não tendo efetivado a compra. Esse comportamento revela que o atendimento é o diferencial, portanto, o foco recai sobre a experiência de compra ou quase compra do cliente.

Por: Supermercado Moderno

A história dos cupons

Ontem tivemos o nosso happy hour +MKTfocus , onde conversamos sobre N assuntos do mercado, varejo, e-commerce, tendências, humanismo, inclusive sobre o comportamento do brasileiro, que diferente do americanos, tem vergonha de pedir descontos, olhar o cardápio na frente do restaurante e (damnt!) não usam cupons de descontos. Acabamos perdendo no saldo final, diferente do que faz parte do dia-a-dia dos consumidores na América, e que traz muitos benefícios ao economizar nas compras mensais.

Recebi esse infográfico hoje do +Marcelo Pimenta, via socialtimes, e achei pertinente compartilhar aqui para repensarmos a forma como lidamos com os benefícios oferecidos ao consumidor e como aproveitamos os descontos oferecidos pelas empresas no Brasil.

Seria a internet o Terceiro Espaço?

Eu tenho uma teoria. Todos nós temos um vício e em breve teremos uma overdose tecnológica. Passamos da fase de checar constantemente a caixa de entrada do Outlook para esperarmos nanosegundos para checar um aviso de notificação num smartphone. (cena: O sentimento de angústia tomando conta de você enquanto deixa uma mensagem em espera).

A minha geração é formado por, digamos assim, experientes usuários de laptops, smartphones e tablets. Conseguimos desenvolver uma escala de relevância e uma fatia de tempo pré-determinada em um dia para fazermos um post no Facebook, checar 1 hora de tweets na timeline, jogar uma partida de algum aplicativo, fazer uma chamada no Skype, responder mensagens no whatsapp e dar aquela atualizada no famoso blog de gifs engraçados.

Não há dúvida que esses avanços tecnológicos já moldaram as nossas vidas e eu não estou aqui para debater os méritos dessas mudanças, mas com todos esses artigos em torno do e-commerce, que já está estabelecido e tem um faturamento anual invejável e agora a maravilha do m-commerce explodindo mundo afora, não é a toa que ninguém precise mais sair de casa. O trabalho pode ser remoto, as aulas podem ser feitas online e nem preciso falar das inúmeras redes de relacionamento achando o par perfeito pra você em cidades que você nem conhece.

Tudo isso me fez analisar o futuro do meu trabalho. Por que exatamente alguém iria investir em ambientes de varejo físico se, na superfície, o poder do comércio eletrônico e mobile é tão forte?
Por que qualquer consumidor precisa perder tempo com estacionamento, multidões, trânsito, temperaturas extremas, refeições em praças de alimentação e principalmente, com vendedores completamente irritados?

Quando a J. Walter Thompson, uma das maiores empresas mundiais de publicidade e marketing veio com a expressão “o varejo como o Terceiro Espaço” como uma tendência para a próxima década, bastou ler o report para aplaudir de pé esse conceito. Eu, como eles, acredito que muito em breve as pessoas vão ficar desesperadas por contato humano. Como seres humanos, nós precisamos da interação face a face nas nossas vidas. Temos nos segregado cada vez mais com toda essa tecnologia pessoal e em algum ponto muito em breve, veremos um efeito “bumerangue” que vai mandar as pessoas de volta para centros comerciais e pontos de contato com um vigor que nem mesmo a Black Friday pode fazer.

Tudo por consequência dessa solidão natural do nosso cotidiano que a tecnologia atual nos causa. Existe algo chamado Instinto ou Comportamento Inato que irá acionar essa necessidade por interação humana.

Eu sou um entusiasta sobre as experiências de compra in-person, mas o varejo não pode enfiar a cabeça na terra e ignorar a internet ou esses fenômenos do mobile, nem pode negligenciar o conceito multicanal agregando tecnologia e mais conveniência para a experiência do shopper na loja. No entanto, todos nós ainda precisamos do contato humano, precisamos sair do sofá, da cadeira, da mesa, da cama e ir fisicamente exercer trocas, e uma delas é a compra.

O tal do “Terceiro Espaço”, conceito que já foi reivindicado pelo Starbucks, fazia muito sentido naquele momento. A cena perfeita: pessoas jogadas em sofás e poltronas enormes, tomando baldes de café e socializando! Mas basta ir hoje a qualquer loja da Starbucks e ver que a maioria das pessoas estão mexendo em laptops, iPads ou Galaxys e não falam com ninguém.
Eu não tenho muita certeza se os pontos de internet sem fio, todos livres, são a melhor das idéias quando se quer promover interação humana. (cena: imagine o café do seriado Friends nos dias de hoje).

No entanto, o ambiente físico do varejo, se feito corretamente, pode promover a interação humana e, ao mesmo tempo, promover a lealdade à marca muito além dos likes do Facebook e check-ins no Foursquare.

A qualquer momento as pessoas vão estar desesperadas por contato humano e não vai ser nenhuma surpresa pra mim se o balcão da padaria do bairro estiver mais cheio de clientes fiéis do que os cafés de grifes italianas que tanto te convenceram a permanecer online.

Para saber mais sobre o Terceiro Espaço: leia “The Great Good Place” de Ray Oldenburg.
Se quiser arriscar o Quarto Espaço: acompanhe a discussão no http://www.dynamicexperiencesgroup.com/TheFourthPlace.html

Inovação ou morte! Feliz dia da inovação!

Hoje é dia de comemorar. Mas peraí, comemorar o quê? O que temos de novo para celebrar uma vitória? Eis a resposta: a inovação, meu bem.

No Brasil, segundo a Lei federal 12.193 de 14 de janeiro de 2010, o dia 19 de outubro foi intitulado o dia da inovação. Uma sugestão da Sociedade Brasileira Pró-Inovação Tecnológica (PROTEC).

Para quem trabalha com inovação sabe o quanto é difícil fazer diferente em um mercado onde ainda existem muitos “dinossauros”, profissionais que insistem em pensar com a cabeça de 1914. Mas vamos bater na tecla: “Século XXI”! Principalmente as novas gerações, ou simplesmente os espíritos jovens, independente da idade, que lutam a cada dia para realizar projetos diferentes, processos inovadores e novas realizações para o bem das empresas, organizações e de toda a sociedade.

O mundo muda, o universo está em constante transformação, e por quê nós, profissionais de marketing, devemos ficar parados no tempo por puro ego alheio que insiste em fazer as coisas do mesmo jeito? Eis o desafio: inovar não é nada fácil. Principalmente quando lidamos com ego, com o poder dos dinossauros em altos cargos executivos. Mas aí que está o desafio: se fosse fácil não teria graça nenhuma. “Because we like to do it nice and rough.”

A inovação pode ser realizada por uma mudança planejada ou simplesmente por acaso. E são poucas as inovações que brotam no mercado simplesmente por acaso. A inovação surge da necessidade de criar algo novo para se adaptar às mudanças contínuas do mundo na vida das pessoas. Eis que as inovações mais bem sucedidas, são aquelas que surgem por oportunidades ou necessidades de se fazer algo novo.

Tipicamente, as inovações podem acontecer pela ocorrência, conjunta ou isolada, de sete principais situações:
– em consequência de factos inesperados;
– por incongruências;
– por necessidade;
– por mudanças na indústria ou no mercado;
– mudanças demográficas;
– mudanças de percepção;
– novos conhecimentos;
– imposições legais ou regulamentares.

Aproveitar as mudanças do mercado para fazer algo novo é algo que se precisa de uma grande percepção do todo, do macroambiente e da estrutura de rede das organizações e do comportamento do ser humano, que muda a cada dia.

Fica a dica para aqueles que insistem em continuar fazendo o mesmo em qualquer tipo de organização: inovação ou morte! Se você não inovar, meu querido, sua empresa/organização ou até você mesmo não irá sobreviver em um ambiente que está em constante transformação.

Parabéns a todos que fazem diferente! Mesmo sem conhecê-los, sou Fã de vocês!

Se u guys 😉

Imagem: comitê inovação fnq
Fonte: wikipedia

"Porque aprendemos educação financeira pela dor"

“Fazer contas dos gastos pessoais ajuda a relembrar na hora de comprar por impulso”

Pude acompanhar o curso de educação financeira na Bovespa, em São Paulo, facilitado pelo professor Netto Filho (sensacional), que abordou vários pontos interessantes sobre o grau de conhecimento do brasileiro sobre educação financeira. E vale compartilhar as impressões do curso.

No Brasil ainda não temos a boa sorte de aprender sobre educação financeira nas escolas. Apenas algumas escolas privadas começam agora a tocar no assunto com alunos do ensino fundamental e médio. E com a falta de informação sobre como lidar com o dinheiro, muitos brasileiros acabam aprendendo no método “quebrando a cara”, ou seja, quando se afundam em dívidas pelo mero desejo de ter antes de ser.

“Porque a gente aprende educação financeira pela dor. E aqueles que não tiveram educação financeira nas antigas gerações, aprenderam isso pela dor.”

Pensar no futuro é poupar no presente. São poucos os que agiram dessa forma no passado, sendo os idosos que o fizeram e possuem hoje uma vida “tranquila” após os 60 anos, somam apenas 1% da faixa no Brasil. Um número muito, muito pequeno.

Netto Filho abordou o pensamento da grande maioria, que deseja adquirir um bem ou serviço antes de ter recursos para tal, o que ele chama de “pensamento de pobre”, enquanto o rico pensa de uma forma diferente: pensa no ser antes de ter. Sendo os pobres (de informação) induzidos pelas influencias do mercado e criando desejos inexistentes por produtos e serviços que, na maioria das vezes, são desnecessários e criam dívidas indesejáveis nos custos diários na vida de uma pessoa, levando-a ao saldo negativo no banco e gerando lucro pro banqueiro.

“O Brasileiro compra o que quer e não o que precisa.”

Pensamento de rico: “Eu vou ser, para ter e fazer”
Pensamento de pobre: “Primeiro vou fazer, para ter e ser”

A falta de informação e orientação na infância, principalmente em casa, reflete por toda a vida de uma pessoa. O professor Netto Filho fez uma comparação ao lembrar sobre a leitura, onde a média de livros lidos por um brasileiro é de 0,7 livro por ano – quase um-. Pra se ter uma idéia, comparando com a França, para cada 4 mil franceses existe 1 livraria, enquanto para cada 69 mil brasileiros existe apenas 1 livraria.

Fizemos uma conta básica pra ter noção da vida financeira de um jovem estudante universitário. O caso fictício que retrata a realidade de muitos pelo Brasil. André, 21 anos, estudante, mora com os pais, com salário de R$1.000,00, que ganhou um carro e tem uma namorada. Veja abaixo o montante aproximado do que ele gasta:

Despesas do André, por mês:
Combustível : 200,00
Seguro: 220,00
Ipva: 50,00
Manutenção: 50,00
2 Saídas com namorada: 400,00
Romance (rs): 150,00
Academia: 100,00
Roupas: 300,00
Celular: 50,00
Happy hour: 200,00
Higiene e beleza 100,00
Total: R$ 1820,00

Fica claro que muitos, mesmo devendo no banco, ainda não possuem noção do que é poupar e fazer o dinheiro trabalhar para você, seja ele aplicado ou investido em bens, ações, estudo ou empreendimentos. O carro é como um filho, custa caro mesmo se for popular e aumenta relativamente de acordo com os “desejos” criados pelos seus donos, por carros mais novos, gastos mais altos e imperceptíveis aos olhos. O que não pode acontecer é ficar no vermelho, gerar lucro para o banqueiro e desvalorizar toda uma vida pelo mero desejo de ter antes de ser.

“A psicologia financeira tem que ser tratada.” – Se ver alguém com vários cartões de crédito diferentes na carteira, sorrindo, achando que está abalando, indique essa pessoa a um psicólogo.

Pensamentos do “jeitinho brasileiro” devem ser exterminados da nossa vida o quanto antes, se quisermos mudar a nossa saúde financeira, pois são eles que nos fazem gastar por vaidade, influência, status – vitória (nesse caso derrota) pública, ou qualquer outro fator externo que incentive o gasto desnecessário, promovido pelo desejo.
Um exemplo é a pessoa que fala “eu trabalho, eu mereço” vai no shopping, usa o cartão de crédito ou cheque, esquece dos gastos fixos e variáveis do mês, quebra e fica no vermelho, devendo pro banco que lucra com o seu erro no pensamento.

Aquele história do vizinho, que vê o carro novo do outro e cria o desejo de trocar o seu carro “velho” por um novo, por mais que ele não precise disso. Ele compra o que não precisa pra agradar a quem não gosta.

Quanto custa um filho? Para fomentar a educação financeira à partir de casa, é necessário falar para o filho quanto que ele custa por mês, assim ele já cria consciência do quanto gasta e começa a dar valor no dinheiro. Poucos param pra pensar nos custos que um filho pode gerar em anos somados. Fizemos uma conta com os pais presentes no curso e o resultado foi impressionante:
Um filho que custa em torno de R$ 350,00 por mês (estudando em escola pública e economizando muito), se tivesse esse dinheiro aplicado em 10 anos, com correções e tudo mais, daria pra chegar em R$ 500.000,000 facilmente. O que significa que em 20 anos muitos brasileiros poderiam atingir o seu primeiro milhão.

E depois de atingir o primeiro milhão, seguindo o pensamento de rico, fica fácil pra botar o dinheiro pra trabalhar pra você, via investimentos, já que o que te move é primeiro ser, para depois ter e poder fazer.

O curso sobre Finanças pessoais (Educar) acontece na própria Bovespa e é gratuito. Além dos cursos presenciais, o site oferece cursos online. As inscrições podem ser realizadas no site da Bovespa com antecedência, já que as vagas são limitadas:
http://senta.la/h01c